14/03/2019 10h23

Motorista cai em golpe de falso frete e fica amarrado em matagal por horas

 

Ele teve o caminhão roubado e foi mantido em cárcere privado por mais de três horas


Divulgação/PM

Assaltante foi detido em AnhanduíAssaltante foi detido em Anhanduí

Um motorista de 60 anos ficou refém de bandidos por horas, após cair no golpe do falso frete, na noite de ontem (13), em uma estrada rural próximo à saída de Ribas do Rio Pardo. Ele foi amarrado em matagal e mantido em cárcere privado, até ser liberado em frente a um hospital de Campo Grande.

Conforme o boletim de ocorrência, a dona do veículo percebeu que o motorista estava seguindo uma rota fora do previsto, conforme programa de rastreamento, e acionou a Polícia Militar. O motorista estava com o celular desligado desde o fim da tarde.

Policiais conseguiram localizar o veículo em Anhanduí, com um homem, que disse desconhecer os fatos. Ele alegou que foi contratado por um homem chamado Jorge Brandão para levar o caminhão até uma fazenda depois de Dourados, onde buscaria uma carga de treliças. Foi dada voz de prisão ao suspeito, que não teve a identidade revelada pela polícia.

Uma equipe do Batalhão de Choque, já com informação confirmada de que se tratava de roubo mediante falso frete, entrou em contato com a empresa de monitoramento do veículo e recebeu a informação de que o caminhão esteve parado mais cedo em uma fazenda na saída de Ribas do Rio Pardo. A guarnição foi até o local para tentar encontrar a vítima.

Nesse momento, a dona do veículo entrou em contato com a polícia, dizendo que o verdadeiro condutor fez contato por telefone e foi deixado pelos bandidos na frente ao Hospital da Cassems, na avenida Mato Grosso.

O motorista contou que foi amarrado no meio da mata e ameaçado sob a mira de armas de fogo. Após três horas, ele foi levado de carro até uma casa, onde permaneceu em cárcere privado dentro de banheiro, ainda sob ameaça. Depois de um tempo, ele foi colocado no carro novamente e deixado em frente ao hospital.

A vítima estava com escoriações por conta da fita usada para imobilizá-lo no cativeiro. O caso foi registrado na Depac (Delegacia de Pronto-Atendimento) da Vila Piratininga.

 

Caroline Carvalho Capital News

Envie seu Comentário